Search
  • Isabel Arruda

Sob o olhar de uma pequena curiosa

"Catarina, o que você está achando do Canadá? Frio mamãe, muito frio!!!"


E assim a minha pequena carioquinha vai se acostumando com a cidade nova. Minha maior preocupação sempre foi com a adptação dela. Sei que eu e João somos super adaptáveis, mas não sabia como Catarina reagiria a tanta mudança. Conversei com inúmeras mães expatriadas e todas, com muita paciência, tentavam acalmar meu coração ansioso e preocupado. E durante todo o processo pré viagem, ela realmente me surpreendeu. Tudo era uma aventura e uma grande brincadeira. Quando vendi sua cama, ficou feliz que ia dormir em uma colchão enorme no chão e poderia pular a vontade. Quando a casa foi esvaziando, ela não se abalou, continuou achando graça e se divertindo com cada momento.


E hoje, com apenas 10 dias em Vancouver devo dizer que ela está se saindo muito bem. Ainda teremos muitos desafios pela frente, claro, mas sinto um orgulho enorme dessa menininha corajosa.


Algumas de suas impressões:

Inglês - Catarina anda intrigada com a nova língua. Antes de virmos, conversamos muito com ela sobre como aqui as pessoas falam inglês e por aí vai. Porém, chegando aqui ela anda um pouco desconfiada com esse tal do inglês. A primeira vez que me ouviu falando no restaurante, me puxou pela camisa e me perguntou baixinho no ouvido.”Mamãe, porque voce está falando assim desse jeito?!" Quando sai com a minha mãe (ela está aqui nos ajudando neste início), ela sempre diz ”vovó, não pode falar inglês não, tá bom?!" Acho que o fato de não entender o que está sendo dito tem a incomodado um pouco.

Sentimento de perda – Catarina é uma criança tímida, introvertida e muito apegada a família. Aqui, ela ainda não conhece nada nem ninguém. Não sabe mais aonde fica o mercado nem a padaria ou qual o caminho da escola. Cada dia vai em um parquinho diferente e tudo é uma novidade. Por enquanto não tem rotina e não conhece outras crianças, o universo dela se resume a nós 3. E com isso veio um grande sentimento de perda. Medo de nos perder. Um dia saímos para procurar apartamento e ela perguntou para a minha mãe: "vovó e seu eu perder a mamãe?" Algumas vezes ao acordar, ela me diz com muita convicção: "Hoje não vamos nos separar, tá mamãe?!"O coração fica apertadinho, mas faz parte do processo. Acredito que as coisas vão se encaixar quando ela entrar na rotina.


Relação com computador – Ela já entendeu que o computador é a conexão com o seu mundo conhecido. Que através dele pode ver e falar com o avô, com a prima e com quem mais quiser. Esta semana, quando ganhou uma boneca da Valente (princesa da Disney) gritou animada: "eu quero falar com todo mundo no computador para mostrar meus brinquedos novos." E lá fomos nós fazendo skype um por um. Ela já entendeu que aqui é assim. Se estiver com saudade de alguém, o computador é a solução. Ela mostra os brinquedos, mostra a casa, dá beijo na tela. Sem drama!


Parquinhos - Catarina nunca brincou tanto na rua, em tantos parquinhos. Ama cada um que encontramos pelo caminho.Assim que chegamos ela ia com calma, observando, nos pedindo a mão para descer no escorrega, pedindo para ficar por perto. Agora, quando vê um parquinho já corre feliz e solta. Já domina o espaço.


Pouco a pouco ela vai ganhando confiança e entendendo este novo espaço. A partir de amanhã já terá sua casinha com seu quarto, em junho entrará na escola e tudo começará a fazer mais sentido.


Se puder dar algum conselho às mamães que estão vindo é ir devagar, respeitando os limites da criança (muitas vezes forçamos a barra e aprendemos na marra que isso não é bom para ninguém, principalmente para ela). Fazendo pausas para parquinhos e brincadeiras, mesmo que a lista de afazeres seja enorme e você esteja exausto. Queremos que ela sinta que este lugar é sua casa, que se sinta acolhida. E passar esta confiança e segurança é nosso dever.


E hoje ela me perguntou: "Mamãe, será que um dia nós vamos embora do Canadá?!". Ah, minha pequena... isso só o tempo vai dizer.

3 views0 comments

Recent Posts

See All